Pular para o conteúdo principal

Fidelidade: do conjugal ao corporativo

É muito comum ouvirmos profissionais falando de fidelidade do cliente com a empresa, de lealdade, de cliente fiel. Mas será que isso existe mesmo?
Muitas vezes usamos termos no mundo dos negócios que vem de outras áreas, como por exemplo os próprios termos aplicados à administração, como liderança, hierarquia, cadeia de comando, cadeia de suprimentos, estratégia... todos termos de origem militar trazidas para a linguagem administrativa.
E com a palavra "fidelidade" não é diferente. Quando falamos de fidelidade resgatamos sua origem que vem da aliança entre pessoas, ou seja, remonta ao matrimônio, ao casamento. Quando se faz o juramento matrimonial, juramos ser fiel um para com o outro. É um juramento recíproco. É uma via de mão dupla onde os dois prometem a fidelidade. Eis a questão: quando as empresas falam que querem fidelidade do cliente, será que estão dispostas a serem fiéis? Será que estão dispostas a lutar por seus clientes mesmo quando seus interesses estão em jogo? Geralmente a resposta é não! As empresas tentam conseguir algo de seus clientes que nem sequer dão e que não estão dispostas a dar. No momento que o interesse do cliente pode prejudicar o seu lucro, descartam o cliente, o fazem ficar 2 horas falando com call center e o fazem esperar meses pela troca de um produto defeituoso.
Empresas que desejarem ter uma relação mais profunda com seus clientes precisam ser verdadeiras e acima de tudo lutar pelos interesses do cliente, por aquilo que gera valor para eles. Isso remonta a própria definição de Marketing, pois Kotler e Armstrong (1999) afirmam que marketing é a entrega de satisfação para o cliente em forma de benefício. Não basta um cartão de fidelidade que não serve para nada. Fidelidade vai muito além de um departamento de CRM.
É isso que os profissionais tem que ter em mente quando quiserem se relacionar com seus clientes. Fidelidade é uma via de mão dupla. Pedir Fidelidade dos clientes e não ser fiel é o mesmo que um marido que tem várias amantes pedir para a mulher ser fiel. Será que isso se sustenta? Provavelmente não. E assim como nos casamentos de hoje em dia que a mulher traida acaba pedindo divórcio e arranjando outro, no mercado, o cliente larga a empresa e busca o concorrente. Então, como já preconiza o velho ditado a respeito dos relacionamentos: "quem não dá assistência, perde a preferência". E assim a fila anda!

Comentários

  1. Fantástico texto Professor Quezado! Continue nos trazendo tantas reflexões inteligentes como essa. Acho que realmente falta as empresas valorizarem e reconhecerem de verdade o papel e a importância de seus clientes.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Paraninfo da Turma de Graduação em Marketing da Estácio|FIC

O Centro Universitário Estácio do Ceará, a Estácio|FIC, realizou sua cerimônia de Colação de Grau dos formandos no Centro de Eventos do Ceará, no ano de 2015. Além dos formandos oriundos dos diversos cursos de graduação da instituição, também se fizeram presentes autoridades do estado, professores, coordenadores e funcionários da instituição, bem como parentes e amigos dos discentes.
Na ocasião, foram homenageados figuras importantes nas diversas áreas de formação dos cursos, destacados como Paraninfos de cada graduação. 
Os Paraninfos são ospadrinhosoumadrinhasdosformandos, sendo umapersonalidade destacada no âmbito do corpo científico da área dosformandos; trata-se em geral, de pessoa de notório saberacadêmico, reconhecida competência e padrão de referência na área específica de conhecimento.
O Professor William Quezado foi escolhido, na ocasião, como Paraninfo do curso de Graduação em Marketing 2015.

Marketing imobiliário: Brasil é escolhido melhor lugar para se investir em imóveis entre emergentes. Mas o que esperar do setor?

Que perspectivas se apresentam para o mercado imobiliário e de construção civil nos próximos anos? Vale a pena comprar um imóvel agora ou devo esperar? Os preços vão continuar subindo freneticamente, vão estagnar ou vão despencar? É coerente se falar em um "bolha" no mercado imobiliário?
Estive em uma recente palestra de Pedro Seixas, professor da FGV (Fundação Getúlio Vargas), onde, juntamente com diversos profissionais do setor, questionei os rumos do mercado imobiliário brasileiro nos próximos anos. Isso complementou bastante a reflexão que já vinha desenvolvendo e compartilhando nos últimos meses.
O fato é que com a alta extraordinária dos preços dos imóveis nos últimos anos é frequente esse tipo de reflexão por parte de consumidores e até de investidores ou interessados no mercado imobiliário e de construção civil. A verdade é que o que tem se visto no Brasil nos últimos anos é um fenômeno mundial que impressiona e eleva o país a primeiro colocado como destino para in…

Prof. William Quezado ministra aula na Pós-Graduação

O Programa de Pós-Graduação em Controladoria e Gestão Empresarial da UniChristus conta com o Prof. Me. William Quezado em seu corpo docente.
A disciplina de Planejamento Estratégico Empresarial é ministrada pelo Prof. Quezado, que conduz a disciplina com um enfoque claro no estudo e compreensão da estratégia empresarial e de seus aspectos relevantes, trazendo para debates em sala o estudo de cases empresariais de sucesso.
A 4ª turma da pós-graduação é composta desde empresários de Postos de Gasolina e Laboratórios de Manipulação Farmacêutica à profissionais liberais. A riqueza de experiências favoreceram debates aprofundados sobre as escolas da Estratégia e os aspectos do Planejamento, buscando ir além da forma e aprofundando-se na geração de estratégias e respostas emergentes ao mercado.
Maiores informações: 3457-5300